sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Ditoso Amante

Às horas vespertinas,
Quando o sol começa a se desmaiar,
Tu te fazes divina,
Beleza que faz sonhar!
Amar-te é uma sina
Quem em meu peito faz-se brotar
Um jardim composto por flores
Belas e primaveris, que se abrem em amores.

Glorioso viver em meu peito inflama
Qual brasa de um encanto celestial;
Nestes campos o amor em chamas
Nas mãos de cetim; na boca jovial!
Eis que meu coração proclama
A lei do amor universal:
Amai, e sereis recompensados
Vós que, amando, não conhecestes o pecado!

Ouço o epitalâmio das aves do prazer
Reverberar em meu coração;
Meu peito, intumescido, não pode conter
Este ímpeto que pulsa de emoção...
Quantos ais proferi sem que pudesses ver
Nos meus olhos a dor da solidão!
Oh! Que deleite causa-me na essência
A luz dos teus olhos – doce e vaga reminiscência.

22 comentários:

  1. Porra!
    Oitava-rima! Que mágico isso! É o Byron fincando suas raízes em você.
    Você, meu poeta favorito, já tem um estilo próprio, sua escrita está madura. Você está pronto, poeta!
    Parece um sonho te ler. Uma vertigem.
    Sentimentos contigo ganham vida.
    Não consigo escolher uma só parte da poesia. Ela é toda perfeita!
    Ah, Felipe! Você terá o sucesso que merece.

    Beijos, poeta.

    ResponderExcluir
  2. Ah, obrigada, amigo dicionário! hahaha

    ResponderExcluir
  3. Fêeeeeeee!!!

    o/ Já estava ansiosa por um novo post seu!!!

    "Amai, e sereis recompensados
    Vós que, amando, não conhecestes o pecado!"

    Que lindo!!! E existe pecado para o amor? Existe lógica, explicação, razão???


    Não, o coração simplesmente se deixa... e se entrega com tudo, sem medir quaisquer consequências!

    M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O!!!

    Um de meus cantinhos PREFERIDOS...

    Bjinhos.

    ResponderExcluir
  4. Nem sempre quem ama é recompensado. Mas isso é o mais importante que devemos saber.

    Que amar e ser amado em retorno é o aprendizado.

    adorei a poesia.

    -

    ResponderExcluir
  5. aah felipes, você e suas poesias.
    a um bom, bom tempo que eu não passo aqui.
    acho que nem lembra mais de mim né?
    mas tudo bem >.<
    elas continuam otimas, cada vez melhores *-*

    ResponderExcluir
  6. O amor que espera recompensa não é amor. Amamos. Ponto.
    Ou...
    "Oh! Que deleite causa-me na essência
    A luz dos teus olhos – doce e vaga reminiscência."
    Lindo.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Oitava-rima Lipe!!! Fiquei sem palavras.
    Rendo-me completamente a teus versos. Estais pronto. As palavras te querem pois só tu sabes espressar o que de fato são;

    Junto.
    Saudades.

    ResponderExcluir
  8. Estive aqui, apreciando sua poesia.

    Abrçs!

    ResponderExcluir
  9. Olhaa!
    Andei tanto tempo "meio cá, meio lá" nesse mundo virtual, que cheguei a esquecer o quão bom é ler tuas poesias. Sò agora, depois de tanto tempo, lendo novamente, pude perceber o quanto suas palavras e rimas fizeram e fazem falta nos meus dias.
    Vou passar os dias a me afogar nas leituras "atrasadas".

    Beijooos

    ResponderExcluir
  10. Felipe!!

    Que Lindooooo, Meu Deus quanta inspiração!!!!
    Parabéns!!!

    Imagino cada cena, me identifico demais!!!

    Beijo e boa semana

    ResponderExcluir
  11. Aiii to arrepiada...
    Quuee lindo! *-*

    Amei
    BJinhuss

    ResponderExcluir
  12. Fico cada dia mais impressionada com ta,anha cxriatividade e talemto parabens Fêh...BJinhooss

    ResponderExcluir
  13. O amor vaai além de qualquer razão ou pensamentoo, mesmo que a gente tente fugir dele, não lá!

    ResponderExcluir
  14. só eu mesma pra ler uma bela poesia desta e lembrar das minhas aulas de anotomia em que os orgão todos estavam intumescidos...
    uahuhauhahu!

    qdo lança o livro, precisa me avisar para eu comparecer... =*

    ResponderExcluir
  15. Aprendi uma palavra nova: epitalâmio.

    Aêeee! \õ/

    Felipe,

    Terapias a parte, escrever é a melhor de todas, não? Aposto que sim.

    O poema é lindo, outra vez. E sempre.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  16. É evidente a explosão de sentimentos que se ditam por cada linha. A explosão é de suavidade, pois sim, demonstra a poesia adormecida dentro de nós. Com um levante romântico jamais visto.

    É perfeito esse compasso que você faz do sentir, dessa chama que tremula por entro os sonhos de dentro, como uma terapia.

    É um rompante delicioso esse poema.

    Lindo mesmo.

    Abração meu caro.

    ResponderExcluir
  17. Um jovem poeta!
    Já havia lido alguns poemas teus..aprecio seu estilo.
    Gosto da forma rebuscada,dorma e culta como escreve.
    A amor como inspiração é sempre uma bela escolha..

    ResponderExcluir
  18. Eu sempre fico sem graça quando venho me vestir de você e não encontro os versos novos.

    ResponderExcluir
  19. É na vaga solidão de um crepúsculo quando o sol se deita com a lua, que ela, prenhe, inspira poetas que arrebentam um poema assim.

    abraços

    ResponderExcluir