sábado, 4 de setembro de 2010

Num céu longínquo

Glorioso o céu da Nigéria,
Por ter sob seu lenço a aura tua!
Como será aí mais bela a lua,
Chorando em ti por tantas misérias...

Ó África! Ó Mãe! Sabias
Que perdeste uma estrela do teu céu?
A fisionomia do teu firmamento ficou vazia,
Depois que Omolara, pela chuva que tu choravas, desceu.

Então sonhe, Omolara. Aproveite o ensejo,
Que enquanto sonhas comigo sonhas;
Na tua boca florescem os meus beijos
Que tocam tua alma.

Quiçá morto estarei amanhã,
Porém muito mais vivo:
Habitante, não desta terra de Tupã,
Mas do teu peito altivo.

11 comentários:

  1. O que parece impossível, não é.
    A cada dia vc nos presenteia com textos e poesias cada vez melhores e mais bonitas, tanto, que fico sem palavras a cada leitura.

    Grande beijo!

    ResponderExcluir
  2. Teus versos me encantam e me surpreendem a cada dia. Teu talento transborda e me leva a querer estar contigo sempre.

    Grande Beijo

    ResponderExcluir
  3. amei teu texto..a gente nota uma sede de liberdade por aqui=)

    ResponderExcluir
  4. Uau!

    Esse amor que ultrpassa oceanos... como o nosso, apesar das dificuldades.

    Muito romântico, muito amante.
    Muito poeta.

    Você é minha poesia.

    Te amo.

    ResponderExcluir
  5. No seu peito cabe tanta saudade assim de mim? Não esperava tal demonstração de afeto, não em público. (haha) Adoro!
    Ando ausente por não ter escolha. Mas, em todos os momentos livres estou aqui e aqui no Ímpetos e extremos. Que também é o único lugar onde venho e faço questão de apreciar.
    Saudade de você, adorável.
    Ah, Lipe, saudade das nossas conversas intermináveis e cheias de sentimentos. Sabe bem como adoro me colocar pra fora. rs
    .. Estava até pensando nisso um dia desses, pensei até em escrever sobre, mas só ficou no pensamento. Talvez por ter lembrado disso agora enquanto escrevo pra você, eu retome as ideias a respeito disso.


    Essa poesia, tenho inspirações desse tipo sempre que termino de assistir a documentários sobre as questões políticas e sociais da África. Aliás, faz tempinho que não assisto nada que me faça querer expor o que eu penso sobre o mundo, ou algum determinado lugar.
    E você sempre atento e disposto a fazer poesia de tudo, até do que não é tão poético assim.

    Beijo com sabor de quero mais, lindeza. Se cuide!

    ResponderExcluir
  6. Extremo, acredito que o poema vai muito além do que possamos imaginar. Imaginei em cada linha uma nova história, e uma nova saudade à sentir.
    E que fique claro que não estou decepcionada pelo texto suicida, só estou sem tempo. :/
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. E você me conhece tão bem nas letras que até te enganar com elas é complicado. Já conhece a natureza das palavras que saem de mim.
    Claro que se eu escrevesse cartas todas elas seriam enviadas, todas.
    Sem medo de parecer pequena ou grande demais.


    beijos, lindeza.

    ResponderExcluir
  8. Que surpresa boa encontrar seu blog!
    Gostei da proposta do blog, assim como da escrita.

    Abraço.

    ResponderExcluir