segunda-feira, 4 de outubro de 2010

O que é vivo

Ontem, tarde da noite, eu chorei. Chorei porque percebi que minha ave de estimação alçará vôo. O meu ninho tão acidentado não proporciona o conforto do qual ela necessita. Ela voará; mais cedo ou mais tarde, voará. E meu ninho ficará disponível para outras tantas aves errantes.
Eis o meu destino; eis o meu fracasso; eis, sobretudo, a forma pífia como me acabo: sem a ave a qual alimentei por tanto tempo, oferecendo-lhe o meu amor humano em troca de nada. Não obstante o meu amor, o meu afeto e a minha atenção, eu não soube controlá-los. Tornaram-se deletérios.
Novos ventos a levarão para outros ninhos; percorrerá novos caminhos. Porém, tenho convicção de que a minha querida ave não encontrará itinerário tão passional e intenso e raivoso quanto estas veias que me correm pelo corpo.
Sempre que o meu pássaro alçar novos vôos pelo céu, os meus olhos nublados inundarão o mundo de lágrimas.

6 comentários:

  1. Isso é uma metáfora. Maravilhosa!

    Vê-se que sua mente é incomum. Não é óbvia. Deu um caminho lindo e poético.

    Não é uma pequena metáfora: é o texto todo!

    Te amo.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. não é bem melhor imaginar q novos passáros podem usar esse ninho que vocÊ tem aí, disponível?

    é só um pensamento otimista.

    ResponderExcluir
  3. Acho que a minha vida é assim. Acho que eu sou assim.
    Estou em um voo sem fim, ás vezes me deslumbro com a paisagem, ás vezes meus olhos se inundam de lágrimas por causa da altura em que me encontro e o tanto de mundo que existe debaixo de mim. Sinto-me pequena, frágil e ás vezes errante, mas continuo voando porque é preciso. É preciso sempre voar apesar de tudo. Se sua ave se foi, está na hora de você voar por outros céus também.

    ;D

    Desculpa por não aparecer tanto, a faculdade está me consumindo a alma haha'
    mas já te add no msn, em todo o caso, sou a lemione@hotmail.com

    beeeijo
    é sempre um prazer tê-lo lá no meu canto tão frágil.

    ResponderExcluir
  4. Que fofura!!
    Olha, amor não se recebe. Nunca, jamais. Em compensação, o amor que se dá gera um amor que, inevitavelmente, será refletido de volta pra ti. Talvez não saibas e nunca venha a saber do amor da tua ave. O que importa, é direcionar esse mesmo amor às outras tantas aves que voarão pra ficar no seu ninho.
    Parabéns pelo texto!
    Beijocas.

    ResponderExcluir
  5. Porraaa!
    Isso foi a coisa mais maravilhosa que já li essa semana. A coisa mais rica também.
    Espetáculo, Lipe. Adoro quando coloca-se presente no que escreve, saindo do posto de narrador pra ocupar o posto que lhe cabe: protagonista. Ou seria vilão?
    Não importa, o que interessa foi o que disse nesse pequeno texto.
    Cada dia me encanto mais com você, com suas palavras.

    Um brinde as suas emoções afloradas e que escreva de tantos outros voos dos quais você ainda vislumbrará.


    ;*

    ResponderExcluir