segunda-feira, 15 de março de 2010

Monólogo

O Medo:
Sou irmão da Covardia,
Mas isto é segredo;
Posso casar-me com a Ousadia,
Chamo-me Medo.

Aprisiono, enclausuro
E sou rejeitado por poetas;
Sempre contraditórios e obscuros,
Mas deixam-me as portas abertas.


Poeta:
Maldito és,
Medo desgraçado!
Sob meus pés
Terás o pescoço esmagado!

Sou poeta e declamo
À noite para as senhoras;
A cada uma delas eu amo,
E tu, que fazes esta hora?

O Medo:
Salvo vidas como a tua.
Tão jovem, poeta, cuidado!
Também eu admiro a lua,
Porém não sonho sentar-me ao seu lado.

Poeta:
Nunca, portanto, serás pleno!
Pois quem não é audaz
Eternamente será pequeno!
Voar é o que me apraz!

O Medo:
Não me esconjures! Não vês?
Estou sempre contigo.
Deus ajudei no que fez
E sou também teu amigo.

Poeta:
Mão como a tua não desejo,
Pois movimentar-me não poderei.
Aproveito o ensejo,
Quero ser rei!

O Medo:
Aquele que impera
Tão invejado é!
Mas é doce a tua quimera,
Reis em mim depositam fé.

Poeta:
Fé não possuo em meu coração,
Mas pelos deuses tenho respeito.
Não faço uma oração,
Elas não me tocam o peito.

O Medo:
Diz, poeta, não temes
Que tuas palavras cheguem ao fim?
Vejo que tremes,
Tens medo igual a mim!

Poeta:
Para provar-te que não,
Te escreverei um epigrama:
Tua moderação
Não deita na tua cama!

15 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. óóóóótimooo!
    Aliás, se me permite, nem a moderação nem a vergonha podem deitar-se à cama: são "boas" demais para qualquer libertinagem!!
    Um beijo!!

    ResponderExcluir
  3. que inteligente sua poesia!
    Muito lindo esse "entrave" entre o sentimento e o homem (poeta).

    Ah, não me esquecerei da lua. Ela é a única luz no meio de uma imensa escuridão

    Obrigada por sempre passar por lá.
    é uma honra pra mim

    beeijo

    ResponderExcluir
  4. NOssa,
    que criativo.
    Felipe, mais uma vez me surpreendendo. Gostei d+!
    Do começo ao fim uma leitura linda...
    Ameiii

    Bjinhuss
    si cuida

    ResponderExcluir
  5. Lindo o conflito interno do poeta!

    É bom se ouvir por dentro, mas o poeta que há em ti sempre vence no final.

    Te amo; te admiro; te venero!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Uau!
    estou digerindo as palavras ainda)

    ResponderExcluir
  7. Que monólogo perfeito Felipe.
    É sempre comum esse embate entre o medo e o poeta. Dois extremos duelando seu lado poético.

    Você escreve muito bem.
    Suas palavras tiram o fôlego...

    Abração meu camarada.

    =)

    ResponderExcluir
  8. nossa, você escreve muito bem, cara.
    você faz letras?

    abração

    ResponderExcluir
  9. um dos melhores monólogos que já li.
    PERFEITO.

    ResponderExcluir
  10. Ontem estive aqui e li, não entendi.
    Não estava preparada pra ler e entender, agora foi diferente.
    Hoje voltei pra reler, entender o que eu não havia entendido, pegar o que eu havia desistido, e como sempre fui arrebatada, Lipe.
    São poucas as vezes que vejo voce nos teus poemas, que vejo voce falando de voce e pra voce.
    Normalmente teus poemas tem um lance mórbido, surreal, romantico demais, segue uma linha no passado.. Isso aqui foi atual.

    Te admiro muito.
    beijos!

    ResponderExcluir
  11. como pude passar anto tempo sem vir aqui, estão perfeitos teus textos meu anjo. e o livro? quando sai?

    beijo beijo, também sinto saudade rs :**

    ResponderExcluir
  12. Fê,
    a beleza que encontro neste espaço é tão maior que não deveria ficar somente nele.
    Você, Fê, é explendido. Um diálogo que travamos sempre e que na maior parte, não damos a ele importância, você, agora nos faz ver que é possível aceitá-lo e enfrentá-lo.

    Sinto-me com sorte imensa por participar deste espaço e tê-lo como grande amigo.

    Um grande beijo.

    ResponderExcluir
  13. Felipe, é difícil acontecer de eu não saber como dizer o que eu estou sentindo... mas dessa vez eu realmente me perdi! Esse texto é simplesmente sensacional!!!! Não, não é exagero. Você deve saber o quanto domina as palavras e sabe mais ainda que para isso é preciso que se deixe dominar por elas!

    Parabééns!!! Beijos.

    ResponderExcluir
  14. Voltei, baby.
    Teu blog se tornou um "livro de cabeceira", de tanto que o releio. rs
    Delicioso ver esse embate protagonizado por você e você mesmo, ora hesitando, ora crescendo, e sempre tocando no fundo do meu coração e da minha alma.
    O medo, que tantas vezes desdenhamos, você o abraçou e o ouviu.
    Genial, perfeito.

    Te amo.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  15. Um bom poema, Felipe.
    Está mais afiado.

    Abrçs.

    ResponderExcluir