sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Extremo

Este amor que me consome
Levar-me-á ao túmulo:
Meu coração que sente fome
Não terá mais um crepúsculo.

Oh! Uma memória! Quão reduzido torna-se o homem
Quando não é capaz de segurar o ímpeto
Do amor dum anjo que não lhe olha;
Que não lhe toca!

Consagrado és tu, amor que chegas ao limite comigo;
Ao limite da vida que escorre;
Que morre!
Dize, coração: “Sou mesmo teu amigo!”

Um bálsamo, oh, um bálsamo!
Qual consolo tem um desvalido
Que vê o derradeiro sorriso nos lábios de uma santa?
Que vê no céu uma nuvem negra que paira sobre si
E sente em sua fronte uma torrente de lágrimas?!

O mártir do amor eu serei!
Agora que a eutanásia considera-me um rei
Posso ir em paz – sem paz!
Adeus, vida! Não te desejo mais!

Se ao menos pudesses cantar-me uma nênia;
Terminaria honrada a minha existência;
Como último suspiro a palavra que balbucio com ardor:
Morro por ti, morro de amor.

49 comentários:

  1. "Morro por ti, morro de amor."

    Ah, se eu pudesse na minha última hora dizer isto também, a minha existência teria total sentido então.

    Em paz, sem paz. Somos todos mártires do amor.
    Adoro encontrar as verdades que não sei, nos teus poemas.

    Um beijo, Elo.

    ResponderExcluir
  2. nenhuma palavra diria o quão profundo foi isso.

    deixo meu silêncio aqui, então.

    ResponderExcluir
  3. 'E eu jurei por Deus não morrer por amor e continuar a viver...'
    Foi impossível não lembrar dessa música do IRA!

    Morrer por amor. Quer causa mais nobre que esta?

    ResponderExcluir
  4. a definição certa seria 'aceitar que alguém não me goste'

    você é de onde, cara?

    ResponderExcluir
  5. Nenhuma palavra que eu possa escrever aqui equivale ao seu texto!
    As suas têm uma força!
    Sua poesia é integralmente admirável.
    Basta ler, apreciar, aplaudir e reler.
    Soa como trovão. Juro que ouvi você declamando muito alto com sua voz grossa aqui do meu lado. Me arrepiei.
    Uma coisa linda! Que de tão sombria e amante ganha uma temática romântica. Ultra-romântica. Mais uma vez você se supera, mostrando que qualquer maneira de te limitar é inútil.
    Que vocabulário, quanto amor em uma só pessoa.
    Amo você.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Muito bom rapaz! Ah tua definição me deixou sem palavras... acho que a melhor entre as que já vi! Volto por aqui se a porta estiver aberta!
    www.tiagofagner.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. "Morro por ti, morro de amor"

    Veio pra mim, em mim, contra mim..
    Amor e morte são a mesma coisa, partem do mesmo príncipio.
    (Amar é deixar de viver a própria vida e a morte é também deixar de viver a vida.)

    Lipe, o que eu poderia fazer mais por ti, além dos milhares de elogios que repito sempre?

    Adoraria me fartar de amor.

    Beijos, meu sonho!

    ResponderExcluir
  8. Nooooooooossaaaaaa!!!
    Só posso dizer que achei fantástico!
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  9. Meu coração se enche do pleno quando leio os teus versos.

    "Do amor dum anjo que não lhe olha;
    Que não lhe toca!
    Consagrado és tu, amor que chegas ao limite comigo;
    Ao limite da vida que escorre;
    Que morre!"

    Tu dominas os meandros da profundidade com maestria.

    Sempre junto.
    Vi.

    ResponderExcluir
  10. ah, você é daqui de perto.
    eu sou de Italva, conhece?
    perto de campos dos Goytacazes (estudo la)

    ResponderExcluir
  11. A idealização da mulher amada!

    Que lindo, Felipe...

    Olha que deve ter muita mulher apaixonada pelo poeta, héin?! rs

    Homens românticos, cultos assim, estão escassos! rs...

    Mas, falando sério agora, adorei.
    E o vocabulário? Tem características de escritores antigos, rebuscados.

    Seu blog está a cada dia mais apaixonante, emocionante...

    Bjinhos.

    ResponderExcluir
  12. "Poesia é insatisfação, um anseio de autosuperação. Um poeta satirfeito não satisfaz."

    "Cada poema é uma garrafa de náufrago jogada às águas... Quem a encontra, sava-se a si mesmo." - Mario Quintana.

    Fê, te adoro de paixão!
    O que posso dizer?
    Simplesmente amo este universo particular que me acolhe tão bem em todos os momentos.
    Você e todos os seus encantos...

    Beijos, meu querido poeta.

    (Ps.: A-m-e-i! meu poema!)

    ResponderExcluir
  13. Todos sofremos por amor, mas ninguém morre por amor. Isto na realidade... no poetico sim, todos nos alimentamos e morremos por amor com a excepção do poeta.

    ResponderExcluir
  14. Nossa parece um jogo de sedução com um amor eterno.....que vai e volta....

    isso ai xara...

    abraços

    ResponderExcluir
  15. Você sempre falando tão lindamente sobre o amor!

    ResponderExcluir
  16. se minha amiga ler esse teu post ela pula da ponte, rs!
    =*

    ResponderExcluir
  17. TENHO que te seguir. Você é ótimo, de verdade. Comoveu-me a cada verso. Viciei...

    ResponderExcluir
  18. Ainda hoje eu disse que o amor não morre, a gente é que morre de amores. Você concorda, não?

    Rs.

    Beijo, Felipe.

    ResponderExcluir
  19. Dize, coração: “Sou mesmo teu amigo!”
    è uma duvida eterna!
    Que sofrimento mais intenso esse! Ja dizia a canção " todo grande amor só é bem grande se for triste"

    ResponderExcluir
  20. Oláá
    Quee saudades!

    Bom,
    que texto lindo! ^^,
    Amei, como sempre...
    adoro como vc escreve...
    lindo, lindo, lindo!

    BJinhuss

    ResponderExcluir
  21. Morro por ti, Morro de amor!

    *----*

    ResponderExcluir
  22. Bem...extremo mesmo...adoro o que escreves.... :)

    e que 5 dias de descanso?? nahhh!! pra fechar a época em grande,já me convocaram pra ir trabalhar até nas minhas folgas que é no fim de semana. LOOL

    Beijooooo

    ResponderExcluir
  23. ah! esqueci-me de assinar..

    Onurb.

    *************

    ResponderExcluir
  24. lembrei daquela canção do ira, nossa.. muito bom Fê *-* e como andas o livro?

    ResponderExcluir
  25. O bom mesmo é amor q consome, que te leva a loucura!
    beijos

    ResponderExcluir
  26. me lembrei de Romeu e Julieta. Praticamente visualizei.

    ResponderExcluir
  27. Quanto tempo fiquei sem reler!
    E vendo o comentário acima, tenho que concordar. E encontrei também analogias com Álvares de Azevedo, Lord Byron, Goethe. Todos eles me foram apresentados por você.
    Seu maldito! Esse caminho de mal do século que você tá tomando não tem volta. kkkkkk
    Te amo, baby.
    Pra sempre.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  28. adoro o q vc escreve, odeio coisas de amor!

    ResponderExcluir
  29. Olá, tudo bom? Estou passando apenas para dizer que voltei a postar no blog. Passe por lá quando puder e deixe um comentário se achar interessante. Também já te adicionei à minha lista de blogs recomendados. ;) Abraço!

    ResponderExcluir
  30. Comentar aqui, algo que não seja sua poesia, soa-me indelicado. Mas não posso deixar de fazê-lo: as palavras com que se define em seu perfil são bonitas, cruas, e soam-me verdadeiras. Não há como não considerá-lo uma pessoa especial; sentimental, intelectual, e humanamente interessante.
    Vida longa à você, e à sua poesia.

    ResponderExcluir
  31. Pois é...eu tava meio sumida sim...
    faculdade estava me deixando louca... mas agora... férias, então tudo volta ao normal!!

    Lindo seu poema, como todos os que vc faz!

    Sei que já disseram nos comentários, mas parece mesmo Romeu e Julieta...
    maravilhoso!
    parabéns!!
    beijos

    ResponderExcluir
  32. Não estava conseguindo entrar no teu blog mais. Não sei o que acontecia.

    Sabe o que não me faz desistir do blog? Comentários como os teus! Fico sempre contente, me arranca sempre sorrisos largos, deixa meus olhos cuspindo faíscas! Muito obrigada.

    Eu que já não sou assim
    Muito de ganhar
    Junto às mãos ao meu redor
    Faço o melhor que sou capaz
    Só pra viver em paz


    Los Hermanos pra você e um beijo!

    ResponderExcluir
  33. Não tem como ler seus post e não me emocionar.
    É tão verdadeiro, os seus poemas..

    "Morro por ti, morro de amor."

    É perfeito...

    Beijo.

    ResponderExcluir
  34. Tive que vir conferir todos os elogios que Eloisa te deu ontem, enquanto divagávamos sobre você. hoho.
    Ela tinha toda razão, você tem o dom de poeta. Lindos, lindos. Sem descrição.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  35. Se a amizade aguentar a distância, né?! Eu tô indo embora no ano que vem e eu torço pra que um dia, eu volte e ainda os reencontre.
    Sim, sou a de blusa listrada. A sorridente sempre. HAHA.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  36. Preferia que não existisse. Sou dependente deles aqui. Mas como não posso mudar a ida, eu vou, mas levando a idéia de voltar comigo.

    ResponderExcluir
  37. Xara agradecer pelas palavras no Entrando..mas como vc disse sempre é bom ficar informado para criticar...

    e te convidar pro nosso Mob Brasil de sabado...sera um tema muito relevante....conto com vc..para maiores detalhes no entrando..

    abraços

    ResponderExcluir
  38. e amo esse livro, desde pequena, foi o primeiro que li e obviamente não entendi muito, mas com o passar do tempo você passa a ver o verdadeiro sentido de o pequeno principe.

    ResponderExcluir
  39. Eu não conheço esse poema dele, tentei procurar agora, mas não achei. Se souber de algum lugar que tenha, me mande.
    Engraçado, não sabia que você era do Rio. Tô me mudando pra aí ano que vem.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  40. Sempre apareço aqui, mesmo que não tenha postagem nova.
    Leio os comentários que enviam pra você. (tá, coisa de desocupada)
    Enfim, eu tenho ciumes das tuas fãs. hahaha
    Juro. Acredita?

    Ai, tô com saudade de você, véio lambão. Saudade de te ler.

    ResponderExcluir
  41. nossa felipe, q trágico...
    huehuehue vc sempre escreve umas coisas trágicas ne? mas sabe de uma coisa, a intensidade faz falta nas pessoas sabia?? saudade de vir aqui.
    bjaaaao

    ResponderExcluir
  42. A cada dia que passa me convenço que morrerei assim: de amor.

    ResponderExcluir